O tratamento medicamentoso de casos infecciosos necessita ser feito de forma segura para evitar o agravamento do quadro de saúde. Nos casos em que um determinado medicamento é avaliado pelo médico como útil para uma intervenção terapêutica, talvez seja prescrito, caso o paciente não seja alérgico ou tenha alguma outra restrição, claro. No tratamento de contaminações do trato respiratório e geniturinário muitas vezes o antibiótico cefalexina é prescrito, por exemplo, mas é necessário atentar também quanto ao tempo correto do uso.

O medicamento citado acima é um antimicrobiano que compõe o grupo dos betalactâmicos, que por sua vez contempla as penicilinas. No início da década de 1970 foi aprovado nos Estados Unidos da América (EUA), sendo considerado original, ou seja, a cefalexina é a primeira entre as cefalosporinas de primeira geração. A venda do fármaco só é possível sob prescrição médica e retenção da receita no estabelecimento de saúde, pois requer controle. Mesmo sendo considerado bastante seguro e tolerado nos tratamentos devido às experiências ao longo do seu tempo de existência, o uso da cefalexina deve ser feito de maneira racional, como todo medicamento precisa ser utilizado apropriadamente seguindo a dose e o tempo indicado no receituário.

A literatura do medicamento esclarece que sua utilização pode ser realizada preventivamente, antes ou depois de procedimentos cirúrgicos buscando mitigar a possibilidade de infecções no local da intervenção. A atividade do antimicrobiano no organismo é positiva pela sua fácil absorção, ou seja, sua farmacocinética é excelente. O medicamento age como bactericida e o mecanismo de ação da sua farmacodinâmica é um importante fator, pois ele mata a bactéria por meio da inibição da síntese da sua parede celular. “Toda alteração nesse `local` leva a uma desestabilização que resulta na morte da célula”, explica Maria Fernanda Werner, professora do Departamento de Farmacologia da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Farmacologia.

De acordo com o conselheiro federal de Farmácia pelo estado do Paraná, Gustavo Pires, o medicamento geralmente é prescrito por médicos para tratar infecções como bronquite, cistite (aguda ou crônica), faringite, miosite (infecção muscular), pneumonia, entre outros. “É necessário que o uso do medicamento seja feito corretamente para evitar também a resistência bacteriana ou algum outro tipo de complicação. O farmacêutico é um grande aliado no acompanhamento terapêutico do paciente”, conclui.

Caso tenha interesse sobre o assunto o Ministério da Saúde disponibiliza uma cartilha sobre o uso racional de medicamentos e o Conselho Federal de Farmácia (CFF) também dispõe de materiais educativos em saúde. Fique atualizado.

Conselho Federal de Farmácia (Uso racional de medicamentos: um alerta à população: https://bit.ly/2UinpiI | USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS NO CONTEXTO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA: SÓ ACESSO NÃO BASTA!: https://bit.ly/3lnjGMG )

Ministério da Saúdehttp://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartilha_promocao_uso_racional_medicamentos.pdf

 

Fonte: Comunicação do CFF com informações do Universo Online (UOL)

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support