Farmacêutico é nomeado para cargo de reitor da UFCG

Farmacêutico é nomeado para cargo de reitor da UFCG

O farmacêutico e professor, Antônio Fernandes foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para o cargo de reitor da UFCG nesta terça-feira (23)

Antônio Fernandes é Natural de Uiraúna, cidade da região de Cajazeiras, no sertão paraibano, formado em Farmácia Bioquímica pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), doutor em Farmácia pela Universidade de São Paulo (USP), também é professor associado da UFCG, nos cursos de Enfermagem e Medicina, e atua nas áreas de Bacteriologia Medica, Infeção hospitalar e biotecnologia.

Fernandes foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para o cargo de reitor da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). O decreto foi publicado nesta terça-feira (23), no Diário Oficial da União (DOU).

Dos que formam a lista tríplice escolhida por votação interna da instituição ocorrida no ano passado, Antônio Fernandes é o terceiro colocado e obteve 19,47% dos votos. O primeiro colocado foi o professor Vicemário Simões, com 50,45% dos votos. Em segundo ficou o professor John Kennedy, com 30,07% dos votos.

Semanas atrás o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu que o presidente tem a prerrogativa de indicar qualquer um dos nomes da lista, sem seguir a ordem de votação.

Parabéns ao Dr. Antônio Fernandes pela nomeação, desejamos uma ótima gestão e que cada vez mais farmacêuticos(as) possam conquistar posições de poder que fazem a diferença na vida de outras pessoas, tudo começa pela educação.

Anvisa concede primeiro registro definitivo de vacina contra a Covid-19

Anvisa concede primeiro registro definitivo de vacina contra a Covid-19

É o primeiro registro definitivo concedido para uma vacina no Brasil e nas Américas.

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, informou na manhã desta terça-feira (23) que, após um período de análise de dezessete dias, a Gerência Geral de Medicamentos, da Segunda Diretoria, concedeu o primeiro registro de vacina contra a Covid-19, para uso amplo, nas Américas. O imunizante do Laboratório Pfizer/BioNTech teve sua segurança, qualidade e eficácia aferidas e atestadas pela equipe técnica de servidores da Anvisa que prossegue no seu trabalho de proteger a saúde do cidadão brasileiro. “Esperamos que outras vacinas estejam em breve sendo avaliadas e aprovadas. Esse é o nosso compromisso.” Afirma o Diretor-presidente Antonio Barra Torres.

“Entre as autoridades de referência pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), a Anvisa é a primeira a conceder o registro de uma vacina Covid-19, com sete locais de fabricação certificados, refletindo a dedicação, o planejamento e o compromisso da Agência com o combate à pandemia. O registro abre caminho para a introdução no mercado de uma vacina com todas as salvaguardas, controles e obrigações resultantes dessa concessão.” Diretora Meiruze Freitas.

“O registro da primeira vacina contra a Covid-19, no Brasil, tem muitos significados. O reconhecimento dos esforços da ciência é um deles, sem dúvida. O mais importante, contudo, é que continuamos na luta pela preservação da saúde e da vida das pessoas.” Diretor Alex Machado.

“O registro sanitário de um imunobiológico ou qualquer outro medicamento é a chancela de um órgão regulador sobre a qualidade, a eficácia e a segurança desse tipo de produto. Durante a análise de um dossiê de registro são realizadas avaliações minuciosas, por especialistas, de todos os documentos e estudos que o compõem, como, por exemplo, das informações sobre o desenvolvimento farmacotécnico, do relatório técnico do produto (características de qualidade, dados de fabricação, controle de qualidade e estabilidade) e do relatório de experimentação terapêutica (ensaios não clínicos e clínicos). Essas avaliações são pautadas em marcos regulatórios e legislações vigentes, além de referências bibliográficas científicas, nacionalmente e internacionalmente reconhecidas. A Anvisa ainda participa dos mais importantes fóruns internacionais de discussão técnica, como do Conselho Internacional para Harmonização de Requisitos Técnicos de Produtos Farmacêuticos para Uso Humano (ICH, sigla em inglês). Dessa forma, a Agência está alinhada com as principais diretrizes regulatórias internacionais e adota o estado da arte dos critérios técnicos e regulatórios para a aprovação de medicamentos no país, promovendo e protegendo a saúde da população brasileira.” Diretor Romison Mota.

Os relatos dos diretores é uma grande ressalva a esperança da população brasileira que espera ansiosamente pela vacinação e o fim de uma pandemia que já matou tantas pessoas deixando o luto eterno no coração de tantas famílias.

CFF / CRFPB DEFENDEM RECURSOS DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

CFF / CRFPB DEFENDEM RECURSOS DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Um dos grandes desafios na área da saúde é a comunicação com pessoas que possuem algum tipo de deficiência. Como orientar uma pessoa surda tendo que utilizar sinais para explicar termos técnicos? Ou ainda alguém que tem deficiência visual poder verificar qual o medicamento que está tomando ou mesmo obter conhecimento das informações da bula por conta própria? A farmacêutica Alessandra Russo, da Coordenação Técnica e Científica do Conselho Federal de Farmácia, ressalta a importância da implantação dos recursos de acessibilidade para que esse paciente possa fazer o seu tratamento com segurança.

“É de crucial importância que as embalagens e as bulas de medicamentos possam, de fato, ser acessíveis a todas as pessoas com deficiência. É sabido que os medicamentos podem ocasionar vários riscos: riscos de intoxicações, reações adversas graves, quando utilizados de maneira equivocada, seja em relação à dose, ao intervalo entre as doses, a duração do tratamento e até mesmo administrar um medicamento errado por não se ter tido a chance de saber exatamente aquilo que se está comprando ou usando por algum tipo de barreira que venha a ser imposta às pessoas com deficiência”.

Alessandra Russo lembra que a lei 13.146, do ano de 2015, que é o Estatuto da Pessoa com Deficiência, estabelece como barreira qualquer entrave ou atitude que limite, por exemplo, a participação social da pessoa ou o acesso à informação. Em seu artigo 24, a resolução 71/2009, da Anvisa, estabelece que embalagens de medicamentos contenham em sistema Braile: o nome comercial do medicamento ou a denominação genérica de cada princípio ativo. Mas a determinação nem sempre é cumprida.

“Como farmacêutica e usuária de medicamentos, percebo que nem sempre existe o sistema Braille impresso na embalagem do medicamento. A RDC n.º 47/2009, da Anvisa, prevê também a bula em formato especial, que seria bula fornecida à pessoa com deficiência visual em formato apropriado para atender suas necessidades. Pode ser disponibilizada: em áudio ou em texto com formato passível de conversão para áudio, impressas em Braille ou com fonte ampliada”.

Embora não seja responsável por regular e fiscalizar a matéria, em 2019, o conselho tem sido pioneiro em ações inclusivas no Brasil. A entidade aprovou, em 2018, a Resolução CFF nº 662, que estabelece as diretrizes para a atuação do farmacêutico no atendimento à pessoa com deficiência. A primeira legislação do gênero no país. Também foi aprovada recentemente a criação de uma plataforma e um curso online de libras para farmacêuticos. Até o final do ano deve ser lançada a primeira versão do FarmaLibras – Vocabulário Terminográfico Farmacêutico bilíngue (Português- Libras).

O FarmaLibras é uma espécie de glossário que será gravado em vídeo com apresentação de cada termo nas duas línguas. Quem dá detalhes é uma das coordenadoras do projeto, Deuzilane Muniz Nunes, que é professora da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). “Então, a gente espera que até o final de 2021 já tenhamos a primeira versão do vocabulário FarmaLibras e estamos providenciando ainda um sistema na web que vai ajudar os farmacêuticos na comunicação com as pessoas surdas. Então, todas essas ações visam tanto que o farmacêutico, que é ouvinte, possa mediar e auxiliar mais a comunicação com a pessoa surda, para que esse farmacêutico não deixe de atender a pessoa surda, assim como facilitar ainda mais a prestação da atividade farmacêutica pelo farmacêutico que é surdo”.

Pelos menos 14 farmacêuticos surdos já foram identificados em atuação pelo país que utilizam as libras como primeira língua. A ideia é que os cursos ofertados pelo Conselho Federal também possam ser disponibilizados com tradução em libras.

Ouça esta matéria da Rádio News Farma

UEPB ABRE SELEÇÃO COM VAGA PARA FARMACÊUTICO INDUSTRIAL

UEPB ABRE SELEÇÃO COM VAGA PARA FARMACÊUTICO INDUSTRIAL

CARGOS TEMPOTÁRIOS

A Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) publicou dois editais distintos com processos seletivos para vagas temporárias em cargos técnico-administrativos da instituição. Ao todo, estão sendo oferecidas 86 vagas paras os níveis fundamental, médio e superior, em sete campi. As inscrições serão realizadas exclusivamente via internet e podem ser feitas a partir das 10h do dia 22 de fevereiro, até as 23h59 do dia 14 de março, respeitando o horário local, no site.

Estão sendo oferecidas 42 vagas para todos os níveis de escolaridade, nos campi de Campina Grande, Lagoa Seca, Catolé do Rocha e Araruna.

Já as demais 44 vagas, também disponíveis para todos os níveis, nos campi localizados nas cidades de Lagoa Seca, Catolé do Rocha, Monteiro, Patos, Araruna e Campina Grande, onde haverá contratação de farmacêutico industrial.

Edital 02: https://cpcon.uepb.edu.br/concursos/2021_pss_uepb_tec_adm_ptc/pss_uepb_2021_ptc.htm
Inscrições: https://cpcon.uepb.edu.br/

SECRETARIA DE SAÚDE INSTALA PRIMEIRO CONSULTÓRIO FARMACÊUTICO DO SUS NA CIDADE DE MONTEIRO

SECRETARIA DE SAÚDE INSTALA PRIMEIRO CONSULTÓRIO FARMACÊUTICO DO SUS NA CIDADE DE MONTEIRO

A Secretaria Municipal de Saúde do município de Monteiro mais uma vez sai na frente e se torna pioneira na instalação do primeiro Consultório Farmacêutico do SUS na região do Cariri paraibano, para não dizer da Paraíba.

Uma proposta inovadora em atendimento à saúde surgiu através de estudos e muita dedicação do Dr. Francisco Xavier Nery Guimarães; Farmacêutico e coordenador da Assistência Farmacêutica do município. Após anos de experiência e pesquisas a grande oportunidade chegou, trazendo para o Cariri, em especial a Monteiro, o primeiro Consultório Farmacêutico.

O projeto surge com a proposta de que o serviço de acompanhamento farmacoterapêutico no âmbito do cuidado farmacêutico seja iniciado e implantado, implementado e consolidado junto a pacientes em tratamento para doenças crônicas assistidas pelo componente básico da assistência farmacêutica.

Atualmente, o foco do projeto são pacientes com DIABETES, HIPERTENSÃO ARTERIAL E OBESIDADE, de modo que os resultados clínicos, humanísticos e econômicos colaborem com o desenvolvimento de políticas públicas no país.

O coordenador Francisco Xavier se disse muito feliz pela oportunidade de poder contribuir para o município e trazer qualidade de vida para os munícipes, agradecendo a Deus e a gestão o apoio ao seu projeto.

“Estou bastante orgulhoso do meu município e dessa gestão. Obrigado a Deus em primeiro lugar, a Monteiro e a gestão da prefeita Anna Lorena; que tem apoiado este grande projeto de amor ao paciente, onde vai possibilitar aos profissionais farmacêuticos desenvolver com plenitude o seu digno trabalho.” Disse Guimarães

Skip to content