Ações do CRF-PB reivindicando a inclusão dos farmacêuticos no grupo prioritário para vacina da Covid

Ações do CRF-PB reivindicando a inclusão dos farmacêuticos no grupo prioritário para vacina da Covid

Dado a automia que nos confere, fazendo justo a profissão farmacêutica, informamos que ainda sem ter nenhuma perspectiva de vacina no Brasil, o Conselho Regional de Farmácia da Paraíba (CRFPB) expediu Ofício N° 61/2020 ao secretário de saúde do Estado da Paraíba, solicitando que todos os farmacêuticos do Estado fossem vacinados, indistintamente, sejam eles da rede pública ou privada, assim que iniciasse o processo de vacinação.

A vacina finalmente chegou ao Brasil, em 25 de janeiro de 2021 o CRF-PB encaminhou o ofício de N° 01/2021 ao Procurador Chefe da República do Estado da Paraíba, solicitando que o Ministério Público (MP), auxiliasse o Conselho no sentido de que todos os farmacêuticos do Estado fossem contemplados com a vacina.

Sem respostas, no dia 27 de janeiro de 2021, o CRFPB expediu ofício circular N° 001/2021 endereçados a todos os 223 municípios do Estado da Paraíba, solicitando que todos os Secretários de Saúde das Cidades Paraibana incluíssem todos, sem exceção, os farmacêuticos no grupo prioritário de vacinação.

11 de fevereiro de 2021, o Conselho fez uma Notícia de Fato (termo adotado pelo MP) ao Ministério Público, solicitando providências no que se refere a condição de vacinação em relação aos profissionais de saúde.
O conselho comprou essa “briga” para que todos os farmacêuticos pudessem e tivessem uma condição digna de vacinação, onde fosse respeitado a condição do farmacêutico para ser vacinado.

Nos antecipamos, lutamos e continuaremos lutando. Essa guerra só acaba quando o nosso real inimigo, o vírus da COVID-19, for vencido.

Entendemos e nos solidarizamos com toda a categoria farmacêutica, principalmente com aqueles que ainda não conseguiram se vacinar.
Junte-se ao seu Conselho.

Deixamos claro que em nenhum momento o CRF-PB deixou de cumprir o seu devido papel que é defender a categoria farmacêutica e zelar pela profissão.
Farmacêutico é um profissional da saúde, conforme descrito na Lei n° 13.021/14.

Diante disso, fica evidente nossa indignação e continuaremos buscando todos os meios necessários para que toda a classe farmacêutica seja vacina, notadamente pelo fato de ser um profissional da saúde e das farmácias serem uma atividade essencial.
No período mais crítico da pandemia, todos os estabelecimentos estavam fechados e as farmácias continuaram abertas, o(a) farmacêutico(a) lá estava em seu posto de trabalho se expondo a contaminação da Coronavírus e cumprindo com o seu juramento de ajudar o próximo.

Farmacêutico é linha de frente.
Respeito aos farmacêuticos.
Não queremos perder mais um.

Governo antecipa feriados para evitar maior propagação da Covid-19 na Paraíba

Governo antecipa feriados para evitar maior propagação da Covid-19 na Paraíba

O Diário Oficial do Estado (DOE) publicou na edição desta quinta-feira (25) a Medida Provisória 295, que dispõe sobre a antecipação dos feriados de Tiradentes, Corpus Christi e da fundação da Paraíba e institui, excepcionalmente, o feriado no dia 29 de março com o objetivo de conter a disseminação do coronavírus. A mensagem do Poder Executivo também foi encaminhada para apreciação da Assembleia Legislativa.

A Medida Provisória prevê a antecipação do feriado do dia 21 de abril (Tiradentes) para o dia 30 de março; de 3 de junho (Corpus Christi) para o dia 31 de março; e de 5 de agosto (fundação da Paraíba) para o dia primeiro de abril. 

No texto enviado ao Poder Legislativo, o Executivo estadual observou que, apesar das medidas mais restritivas adotadas desde o dia 23 de fevereiro e da ampliação significativa de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e de enfermaria, o atual cenário pandêmico exige a adoção de ações para permitir o isolamento e o distanciamento social, que são mecanismos mundialmente adotados pela eficiência no combate à propagação da Covid-19.

A mensagem também aponta o crescimento abrupto e sustentado da demanda por leitos de internação hospitalar para Covid-19, evidenciado pela manutenção da ocupação hospitalar média dos leitos de terapia intensiva de adultos na Paraíba acima de 85% durante o mês de março e a intensa elevação do número de internações diárias, variando de 24 internações em média ao dia no mês de janeiro até 81 internações em média ao dia em março, sendo que nos dias 21, 22 e 23 deste mês houve, respectivamente, 97, 98 e 103 internações ao dia.

A MP alega ainda a aceleração do crescimento do número de óbitos pelo novo vírus na Paraíba, demonstrada pela redução dos intervalos de tempo necessários para a ocorrência de mil novos óbitos, sendo de 100 dias entre 3.000 e 4.000 óbitos acumulados e de 50 dias entre 4.000 e 5.000 óbitos acumulados, gerando projeções atuais do alcance de 6.000 óbitos em intervalo de tempo ainda menor.

Por fim, o Governo do Estado pontuou a crescente demanda por consumo de oxigênio medicinal em todo o país e a escassa disponibilidade nacional e o intenso e contínuo crescimento de consumo dos medicamentos dedicados aos procedimentos de suporte ventilatório como sedativos, bloqueadores neuromusculares e drogas vasoativas, condição de extremo risco à segurança e efetividade dos cuidados necessários aos pacientes moderados e graves da Covid-19.

A antecipação dos feriados não se aplica às unidades de saúde, segurança pública, administração penitenciária, socioeducativa, assistência social e serviço funerário, além de outras atividades definidas como essenciais ou com funcionamento permitido por meio de decreto estadual.

A MP ainda atribui aos Poderes Executivos estadual e aos municipais, de forma suplementar, estabelecerem as regras e proibições de funcionamento no período dos feriados.

IMUNIZAÇÃO COVID-19

IMUNIZAÇÃO COVID-19

VERIFIQUE O CRONOGRAMA DE VACINAÇÃO COM O SEU MUNICÍPIO

O CRF-PB expediu ofício circular endereçado à todos os 223 municípios paraibanos e tem feito repetidos contatos com a Secretaria Estadual e Municipais de Saúde e Vigilâncias Sanitária e Epidemiológica, para vacinar o mais urgentemente possível todos os farmacêuticos que estão na linha de frente de combate à pandemia de Covid-19 seja no setor público ou privado.

O farmacêutico que está atuando na linha de frente dessa pandemia deve procurar o posto de vacinação ou drive thru, com a sua carteira do conselho e declaração do seu local de trabalho onde comprove o seu vínculo e atividade desenvolvida atendendo usuários com síndrome gripal para receber a vacina.

Vale lembrar que há uma política defendida pela OMS para, em todos os países, imunizar quem está trabalhando diretamente no combate pandêmico. O CRF-PB está atento para fazer valer esta prerrogativa sanitária, não para nos beneficiar em primeiro lugar, mas para o amparo da sociedade, que precisa dos trabalhadores da saúde em seus postos de atuação.

Se você, farmacêutico está na linha de frente e ainda não recebeu a vacina, entre em contato com a Secretaria de Saúde ou Vigilância Epidemiológica do seu município e verifique a programação do esquema vacinal contra a Covid-19.

Muitos municípios já conseguiram vacinar farmacêuticos e suas equipes, e outros estão fazendo o agendamento.

A vacina virá para todos, em seu tempo, para nos fortalecer como categoria e como sociedade.

Conte conosco. Conte com um farmacêutico.

Ministério da Saúde reitera farmacêuticos na prioridade para a vacina

Ministério da Saúde reitera farmacêuticos na prioridade para a vacina

Não há mais margem para dúvidas! Farmacêuticos e demais trabalhadores das farmácias, drogarias e de laboratórios têm prioridade na imunização contra a Covid-19. O Ministério da Saúde (MS) acaba de emitir ofício às Coordenações Estaduais de Imunizações, reiterando as orientações técnicas sobre a vacinação do grupo prioritário dos Trabalhadores da Saúde, na Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19. No ofício, além de evidenciar os farmacêuticos desses estabelecimentos, o Ministério da Saúde inclui acadêmicos em saúde e estudantes da área técnica em saúde em estágio hospitalar, atenção básica, clínicas e laboratórios na prioridade.

O ofício foi expedido pela Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis e a Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações em função das dúvidas geradas pelo primeiro comunicado do órgão. Esse maior detalhamento deve evitar que os farmacêutico e estudantes de farmácia sejam preteridos na vacinação pelos estados, responsáveis pela distribuição das doses, e municípios, encarregados de realizar a vacinação. “O problema foi relatado na última reunião plenária do Conselho Federal de Farmácia (CFF) e o conselho vinha cobrando providências tanto dos gestores federais, quanto das demais instâncias. É um avanço importante”, comentou o presidente do CFF, Walter da Silva Jorge João.

A preocupação agora será com a disponibilidade de doses de vacinas. É importante destacar que, no mesmo ofício, o Ministério da Saúde estratifica as prioridades. No documento, o órgão recomenda a seguinte ordem para vacinação dos trabalhadores da saúde de acordo com disponibilidade de doses, sendo facultado a Estados e Municípios a capacidade em adequar a priorização a partir da realidade local:

• Equipes de vacinação que estiverem inicialmente envolvidas na vacinação dos grupos
• elencados para as 6 milhões de doses;
• Trabalhadores das Instituições de Longa Permanência de Idosos e de Residências Inclusivas (Serviço de Acolhimento Institucional em Residência Inclusiva para jovens e adultos com deficiência);
• Trabalhadores dos serviços de saúde públicos e privados, tanto da urgência quanto da atenção básica, envolvidos diretamente na atenção/referência para os casos suspeitos e confirmados de covid-19;
• Demais trabalhadores de saúde.

O presidente do CFF destaca que o conselho continuará empenhado em cobrar dos órgãos competentes o provimento das doses de vacina suficientes para a imunização de todos os trabalhadores da saúde, especialmente dos farmacêuticos e demais trabalhadores das farmácias e laboratórios de análises clínicas. “É urgente também a ampliação da vacinação da população, sem a qual não venceremos a pandemia.”

Clique aqui e veja o documento.

 

Fonte: Comunicação do CFF

Anvisa concede primeiro registro definitivo de vacina contra a Covid-19

Anvisa concede primeiro registro definitivo de vacina contra a Covid-19

É o primeiro registro definitivo concedido para uma vacina no Brasil e nas Américas.

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, informou na manhã desta terça-feira (23) que, após um período de análise de dezessete dias, a Gerência Geral de Medicamentos, da Segunda Diretoria, concedeu o primeiro registro de vacina contra a Covid-19, para uso amplo, nas Américas. O imunizante do Laboratório Pfizer/BioNTech teve sua segurança, qualidade e eficácia aferidas e atestadas pela equipe técnica de servidores da Anvisa que prossegue no seu trabalho de proteger a saúde do cidadão brasileiro. “Esperamos que outras vacinas estejam em breve sendo avaliadas e aprovadas. Esse é o nosso compromisso.” Afirma o Diretor-presidente Antonio Barra Torres.

“Entre as autoridades de referência pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), a Anvisa é a primeira a conceder o registro de uma vacina Covid-19, com sete locais de fabricação certificados, refletindo a dedicação, o planejamento e o compromisso da Agência com o combate à pandemia. O registro abre caminho para a introdução no mercado de uma vacina com todas as salvaguardas, controles e obrigações resultantes dessa concessão.” Diretora Meiruze Freitas.

“O registro da primeira vacina contra a Covid-19, no Brasil, tem muitos significados. O reconhecimento dos esforços da ciência é um deles, sem dúvida. O mais importante, contudo, é que continuamos na luta pela preservação da saúde e da vida das pessoas.” Diretor Alex Machado.

“O registro sanitário de um imunobiológico ou qualquer outro medicamento é a chancela de um órgão regulador sobre a qualidade, a eficácia e a segurança desse tipo de produto. Durante a análise de um dossiê de registro são realizadas avaliações minuciosas, por especialistas, de todos os documentos e estudos que o compõem, como, por exemplo, das informações sobre o desenvolvimento farmacotécnico, do relatório técnico do produto (características de qualidade, dados de fabricação, controle de qualidade e estabilidade) e do relatório de experimentação terapêutica (ensaios não clínicos e clínicos). Essas avaliações são pautadas em marcos regulatórios e legislações vigentes, além de referências bibliográficas científicas, nacionalmente e internacionalmente reconhecidas. A Anvisa ainda participa dos mais importantes fóruns internacionais de discussão técnica, como do Conselho Internacional para Harmonização de Requisitos Técnicos de Produtos Farmacêuticos para Uso Humano (ICH, sigla em inglês). Dessa forma, a Agência está alinhada com as principais diretrizes regulatórias internacionais e adota o estado da arte dos critérios técnicos e regulatórios para a aprovação de medicamentos no país, promovendo e protegendo a saúde da população brasileira.” Diretor Romison Mota.

Os relatos dos diretores é uma grande ressalva a esperança da população brasileira que espera ansiosamente pela vacinação e o fim de uma pandemia que já matou tantas pessoas deixando o luto eterno no coração de tantas famílias.

O CRF-PB expediu ofício endereçado ao Ministério Público Federal

O CRF-PB expediu ofício endereçado ao Ministério Público Federal

O ofício destaca o papel do Farmacêutico na linha de frente da Pandemia pelo COVID-19, bem como da extrema necessidade de sua imunização

Nesta segunda-feira (25) o Conselho Regional de Farmácia da Paraíba publicou um ofício sobre a importância do farmacêutico frente a pandemia do COVID-19, bem como a extrema necessidade de sua imunização destinado ao Procurador da República no Estado da Paraíba.

Temos recebido várias denuncias de que os responsáveis pela gestão e aplicação das vacinas não estão dando efetivo cumprimento a diretrizes legais, haja vista que Farmacêuticos da linha de frente NÃO ESTÃO SENDO VACINADOS.
Assim sendo, destacamos que o procurador determine a imediata apuração ao não cumprimento das diretrizes do plano de vacinação.

O Farmacêutico se fez e faz presente todos os momentos desta chaga que assola a população mundial, inclusive, honrosamente em seu momento mais sublime e de magnitude ímpar, que foi a decisiva chegada da vacina no Brasil.

Cabe-nos destacar, que, antecipadamente, o CRF-PB já expediu ofício endereçado também ao Secretário de Estado da Saúde, destacando o papel do Farmacêutico na linha de frente da Pandemia pelo COVID-19, bem como da extrema necessidade de sua imunização.

Lutaremos incansavelmente para que todos os farmacêuticos sejam devidamente vacinados e estejam protegidos contra o coronavírus, para que continuem na linha de frente orientando e cuidando da população.

Skip to content