Apostilamento de especialização

Apostilamento de especialização

Você sabia que para exercer a sua especialização legalmente tem que ser feito a averbação e apostilamento junto ao seu conselho?

Quando o farmacêutico conclui o curso de farmácia e deseja exercer a profissão, é necessário que se faça a averbação do seu diploma de graduação perante o CRF, o mesmo acontece com as especializações, pós-graduação, mestrado e doutorado.

Apostilamento de especialização trata-se da averbação de título de especialização perante o CRF-PB, dessa forma o profissional pode exercer a sua especialização regularmente.

Para isso, basta comparecer ao CRF-PB com a seguinte documentação:

• Diploma de graduação
• Diploma da pós-graduação
• Carteira marrom
• Formulário (Disponível em nosso site, em “requerimento de pessoa física”).

O apostilamento é gratuito, simples e seguro.

De acordo com a resolução N° 561, as instituições com credenciamento junto ao Ministério da Educação estão dispensadas de solicita-lo ao Conselho Federal de Farmácia para apostilamento dos seus respectivos certificados.

Mas muita atenção, a resolução CFF 580/13 prevê o registo da certificação de títulos de especialistas consedidos por Instituições de Ensino superior (IES) credenciadas pelo Ministério da Educação (MEC). Para saber se a IES é credenciada, consulte em: http://emec.mec.gov.br/

O farmacêutico que exercer a sua especialização sem ter feito o apostilamento pode responder a processo ético.

Fique regular com o seu conselho e exerça sua profissão legalmente.

Nota de esclarecimento

Nota de esclarecimento

O Conselho Regional de Farmácia da Paraíba, não foi convocado pelo prefeito da cidade de Campina Grande, Bruno Cunha Lima, para a reunião que aconteceu no final da tarde desta terça-feira (06), a respeito do cadastramento geral dos profissionais de saúde para vacinação.

Na reunião estiveram presentes representantes de outros Conselhos Regionais das profissões da área de Saúde; e de entidades dos segmentos ligados diretamente ao setor, com atuação na cidade de Campina Grande. Vale destacar que o não chamamento do órgão representativo da profissão farmacêutica causa aversão, visto que o CRF-PB é atuante nos 223 Municípios da Paraíba e tem uma Seccional instalada na cidade de Campina Grande.

Entretanto, estamos à disposição do setor publico da cidade de Campina Grande para discutir sobre a profissão farmacêutica, sobretudo sobre o tema tratado na reunião referente ao acesso a vacina dos profissionais de saúde, bandeira essa defendida pelo CRF-PB desde 2020.

Cabe-nos esclarecer que a referida reunião realizada e reportada pelos veículos de comunicação, refere-se apenas ao lançamento de um site onde os profissionais possam realizar seu cadastro e não que venha acontecer uma vacinação de imediato. Situação essa que já acontece em todo o nosso Estado através dos sistemas implantados pela Secretaria Estadual.

Diante do exposto, o Conselho Regional de Farmácia da Paraíba interpôs ação judicial N° 0803228-74.2021.4.05.8200, para que de forma efetiva e imediata o Estado seja compelido a vacinar todos os farmacêuticos paraibanos. 

Se somos essenciais, por que não recebemos a vacina?

Farmacêutico é linha de frente.

Respeito aos farmacêuticos.

Não queremos perder mais um.

Vacinação liberada para os profissionais de saúde

Vacinação liberada para os profissionais de saúde

Depois de várias reivindicações do Conselho Regional de Farmácia da Paraíba, na noite desta segunda-feira (07) a Prefeitura de João Pessoa incluiu os farmacêuticos no plano de imunização contra a Covid-19.

Os farmacêuticos que estão trabalhando na linha de frente da pandemia podem fazer o agendamento prévio através do site: vacina.joaopessoa.pb.gov ou do aplicativo “Vacina João Pessoa” e comparecer no Drive Thur do Mangabeira Shopping na data agendada, das 9h às 15h, com a cópia da declaração de inscrito no Conselho e cédula profissional.

Será liberado um quantitativo de agendamentos por dia conforme disponibilidade de doses da vacina, inicialmente está sendo dada a oportunidade aos profissionais da saúde e em seguida aos demais trabalhadores da saúde.

Você farmacêutico(a) que ainda não fez o seu agendamento, acesse o site e reserve a sua vaga para receber a primeira dose.

Juntos venceremos essa batalha com proteção e cuidado para com a sociedade.

Farmacêutico é linha de frente.
Respeito aos farmacêuticos.
Não queremos perder mais um.

Convocados profissionais de saúde para fortalecer combate à Covid-19

Convocados profissionais de saúde para fortalecer combate à Covid-19

Nesta terça-feira (30) a Secretaria de Estado da Saúde publicou o Edital Nº 02/2020/SEAD/SES/ESPEP no Diário Oficial da União (DUO), convocando profissionais da saúde para enfrentamento à Covid-19, entre os profissionais estão farmacêuticos, bioquímicos e técnicos de laboratório.

Atenção:

  • O candidato selecionado deverá comparecer no Local de Trabalho e apresentar toda documentação exigida ao setor de Recursos Humanos, conforme itens 4 e 5 do edital.
  • O candidato convocado para assinatura de contrato de emergência ficará obrigado a se apresentar
    com cópias acompanhadas dos originais de toda documentação exigida no Edital 02/2020/SEAD/SES/
    ESPEP, publicado no Diário Oficial do Estado de 15/05/2020.
  • O candidato que não apresentar os documentos, conforme descrito nos itens 4 e 5 ficará sujeito a
    não contratação.
  • Os profissionais convocados deverão entrar em contato com os locais dispostos da 2ª MACRORREGIÃO DE SAÚDE com disponibilidade de vaga para saber informações sobre a entrega
    dos documentos, caso haja impossibilidade de comparecer na data programada comunicar ao setor e
    verificar possibilidade de nova data.
  • As contratações dos candidatos pela Unidade de Trabalho ficará sujeita a análise de classificação
    e pontuação do mesmo no Edital 02/2020/SEAD/SES/ESPEP, para quando existir mais profissionais
    interessados do que o quantitativo de vagas ofertado pela Unidade. Os candidatos excedentes poderão
    apresentar-se em outra unidade que ainda disponha de vagas para contratação.
  • A apresentação dos profissionais convocados deve acontecer nos dias 31 de Março à 05 de Abril
    de 2021 no setor de Recursos Humanos das seguinte unidades:
    Local: Hospital de Clínicas de Campina Grande
    Endereço: Rua Siqueira Campos, 605, Prata, Campina Grande- PB, 58400-525
    Telefone: 83 3322-7893, 83 9103-0245
    Assistente Social: 01 vaga
    Auxiliar de Farmácia: 04 vagas
    Auxiliar de Serviços Gerais: 24 Vagas
    Enfermeiro: 06 vagas
    Farmacêutico: 02 vagas
    Fisioterapeuta: 08 vagas
    Maqueiro: 07 vagas
    Técnico de Enfermagem: 41 vagas
    Local: Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes
    Endereço: Av. Mal. Floriano Peixoto, 4700 – Malvinas, Campina Grande – PB, 58428-111
    Telefone: 83 3310.5850
    Fisioterapeuta: 20 vagas
    Técnico de Enfermagem: 42 vagas
    Local: Hospital Regional Santa Filomena- Monteiro
    Endereço: Rua Epaminondas Azevedo, s/n – Centro – Monteiro – CEP 58500-000
    Telefone: 83 3351-2177 / 2204
    Auxiliar de Farmácia: 04 vagas
    Auxiliar de Serviços Gerais: 04 vagas
    Fisioterapeuta: 07 vagas
    Maqueiro: 02 vagas
    Técnico de Enfermagem: 18 vagas

Confira o edital completo:

Diario+Oficial+30-03-2021
Ações do CRF-PB reivindicando a inclusão dos farmacêuticos no grupo prioritário para vacina da Covid

Ações do CRF-PB reivindicando a inclusão dos farmacêuticos no grupo prioritário para vacina da Covid

Dado a automia que nos confere, fazendo justo a profissão farmacêutica, informamos que ainda sem ter nenhuma perspectiva de vacina no Brasil, o Conselho Regional de Farmácia da Paraíba (CRFPB) expediu Ofício N° 61/2020 ao secretário de saúde do Estado da Paraíba, solicitando que todos os farmacêuticos do Estado fossem vacinados, indistintamente, sejam eles da rede pública ou privada, assim que iniciasse o processo de vacinação.

A vacina finalmente chegou ao Brasil, em 25 de janeiro de 2021 o CRF-PB encaminhou o ofício de N° 01/2021 ao Procurador Chefe da República do Estado da Paraíba, solicitando que o Ministério Público (MP), auxiliasse o Conselho no sentido de que todos os farmacêuticos do Estado fossem contemplados com a vacina.

Sem respostas, no dia 27 de janeiro de 2021, o CRFPB expediu ofício circular N° 001/2021 endereçados a todos os 223 municípios do Estado da Paraíba, solicitando que todos os Secretários de Saúde das Cidades Paraibana incluíssem todos, sem exceção, os farmacêuticos no grupo prioritário de vacinação.

11 de fevereiro de 2021, o Conselho fez uma Notícia de Fato (termo adotado pelo MP) ao Ministério Público, solicitando providências no que se refere a condição de vacinação em relação aos profissionais de saúde.
O conselho comprou essa “briga” para que todos os farmacêuticos pudessem e tivessem uma condição digna de vacinação, onde fosse respeitado a condição do farmacêutico para ser vacinado.

Nos antecipamos, lutamos e continuaremos lutando. Essa guerra só acaba quando o nosso real inimigo, o vírus da COVID-19, for vencido.

Entendemos e nos solidarizamos com toda a categoria farmacêutica, principalmente com aqueles que ainda não conseguiram se vacinar.
Junte-se ao seu Conselho.

Deixamos claro que em nenhum momento o CRF-PB deixou de cumprir o seu devido papel que é defender a categoria farmacêutica e zelar pela profissão.
Farmacêutico é um profissional da saúde, conforme descrito na Lei n° 13.021/14.

Diante disso, fica evidente nossa indignação e continuaremos buscando todos os meios necessários para que toda a classe farmacêutica seja vacina, notadamente pelo fato de ser um profissional da saúde e das farmácias serem uma atividade essencial.
No período mais crítico da pandemia, todos os estabelecimentos estavam fechados e as farmácias continuaram abertas, o(a) farmacêutico(a) lá estava em seu posto de trabalho se expondo a contaminação da Coronavírus e cumprindo com o seu juramento de ajudar o próximo.

Farmacêutico é linha de frente.
Respeito aos farmacêuticos.
Não queremos perder mais um.

CRF/PB alerta sobre Hidroxicloroquina via nebulização

CRF/PB alerta sobre Hidroxicloroquina via nebulização

Conselho traz esclarecimentos à categoria, em razão do aumento de circulação de matérias e conteúdos sobre o tema.

A imprensa e as redes sociais têm divulgado recentemente matérias sobre a administração de medicamento contendo hidroxicloroquina por nebulização para uso em paciente com Covid-19 internado.

Diante desta situação, apresentamos as seguintes considerações:

  1. Sulfato de hidroxicloroquina é um antiparasitário antimalárico;
  2. Os medicamentos contendo o fármaco estão registrados na Anvisa para uso oral;
  3. A administração de medicamento por via não descrita em bula aprovada pela Anvisa é um uso não aprovado (off label);
  4. É possível o uso off label de medicamentos, desde que descrito pelo fabricante e fundamentado por fontes especializadas confiáveis sobre medicamentos, como livros técnicos, artigos científicos de qualidade, consensos de sociedades científicas, e serviços e centros de informação sobre medicamentos (lista disponível AQUI );
  5. Importante considerar que o uso inalatório de medicamentos é restrito, devido aos riscos de absorção sistêmica errática e exacerbação de reações adversas graves, inclusive o óbito;
  6. Em uma instituição de assistência médica e congênere, a utilização clínica de medicamentos deve obedecer a protocolos institucionais, sempre pautados por lista padronizada de medicamentos, cada qual com informações específicas sobre, por exemplo, indicação de uso, esquema posológico, via de administração, e condutas em caso de reações adversas graves;
  7. Nestes estabelecimentos, a análise judiciosa e aprovação desta lista padronizada realizadas por equipe técnica multiprofissional ou pela Comissão de Farmácia e Terapêutica, bem como o acompanhamento transversal pela equipe multiprofissional responsável pela gestão de riscos na instituição, garantem o uso racional e seguro destes medicamentos pelo paciente;
  8. Nessa lógica, toda prescrição de medicamentos para uso diverso daquele descrito na lista institucional deve ser submetida previamente à equipe técnica multiprofissional ou à Comissão de Farmácia e Terapêutica, e, se houver conotação de uso experimental, ter o aval, por princípios bioéticos, de Comissão de Ética em Pesquisa Clínica;
  9. Utilizando-se dos princípios da Farmácia Clínica e da Medicina Baseada em Evidências, o farmacêutico possui autoridade e autonomia técnica para a análise, revisão e tomada de decisão sobre a terapia medicamentosa prescrita e sobre a dispensação dos medicamentos prescritos em instituição de assistência médica e congênere, especialmente nos casos de utilização institucional off label, ou seja, nos casos de uso não preconizado em lista padronizada a ser utilizada na instituição;
  10. A inserção e atuação colaborativa do farmacêutico nos diversos espaços de práticas dentro destas instituições, como em equipes técnicas, Comissões e na farmácia, permite o exercício pleno, responsável e ético de suas atividades, com o propósito de garantir, no caso, a terapia medicamentosa mais racional a ser utilizada pelo paciente;
  11. Tais premissas são extensíveis ao SUS, em seus diversos níveis de atenção e complexidade;
  12. O paciente atendido é responsabilidade solidária de todos os profissionais de saúde que atuam no local.

Fonte: Anvisa (https://bit.ly/31eSeZj ), Lei federal nº 13.021/2014, Resolução CFF nº 585, Portaria GM/MS nº  4283/2010.

Skip to content