PRÊMIO PIO CORRÊA DE INOVAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA 2021

PRÊMIO PIO CORRÊA DE INOVAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA 2021

O CRF/PB apoia o “Prêmio Pio Corrêa de Inovação em Ciências Farmacêuticas da Biodiversidade Brasileira” e informa que as inscrições seguem abertas até 22.07.

A premiação foi instituída pela Academia de Ciências Farmacêuticas do Brasil/Academia Nacional de Farmácia – ACFB/ANF.

A finalidade é de reconhecer publicamente e estimular profissionais que atuam no Brasil nas diversas áreas das Ciências Farmacêuticas relacionadas à biodiversidade brasileira.

Para a entidade organizadora, “mais do que o mérito científico, o prêmio busca destacar trabalhos com impacto na sociedade.”

De acordo com o edital, há duas categorias: Master e Revelação, sendo que a última é reservada a concorrentes com limite de idade de 30 anos, completados até 31/12/2021.

Para ambas as categorias, podem se inscrever profissionais individuais ou equipes, vinculados a empresas, instituições de ensino e/ou pesquisa, associações, organizações governamentais ou não governamentais, no Brasil, que se dedicam a projetos inovadores nas diferentes áreas do conhecimento das Ciências Farmacêuticas relacionadas à biodiversidade brasileira, incluindo:

Insumos, medicamentos, vacinas, produtos de higiene, limpeza, cosméticos e suplementos alimentares, cuja pesquisa e cujo desenvolvimento tenham sido realizados no Brasil, podendo incluir parcerias internacionais.

Mais informações podem ser encontradas no site da ACFB / ANF.

Acesse o formulário e faça a sua inscrição: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd62KzgA4jBPrMg5jaPkQQZzvjb7R5QjTvm8TQ_uPx5qnuRKA/viewform

Descarte de medicamentos injetáveis

Descarte de medicamentos injetáveis

O descarte de todo e qualquer medicamento, incluindo vacinas, deve atender à RDC nº 222/2018 da Anvisa

O descarte de todo e qualquer medicamento deve atender ao preconizado pela RDC nº 222/2018 da Anvisa. A referida norma sanitária preconiza que os resíduos devem ser segregados no momento de sua geração, conforme classificação por Grupos constante no Anexo I da norma, em função do risco sanitário existente. No caso de medicamentos injetáveis administrados em farmácias, podem ser gerados 4 tipos de resíduos, que devem ser descartados adequadamente:

–  resíduo comum: embalagens secundárias não contaminadas pelo produto. Podem ser fisicamente descaracterizadas e acondicionadas como resíduo do grupo D, podendo ser encaminhadas para processo de reciclagem;

– resíduo perfurocortante (Grupo E): agulhas, conjunto seringa-agulha. Deve ser descartado imediatamente em local apropriado, não devendo ser acondicionado de outra forma para se segregar depois;

– resíduo químico (Grupo B): as embalagens primárias vazias de medicamentos em geral e materiais contaminados. Devem ser descartadas como rejeitos (em aterro sanitário) e não precisam de tratamento prévio à sua destinação;

– resíduo químico (Grupo B, classe I):  embalagens primárias de medicamentos contendo produtos hormonais e produtos antimicrobianos, citostáticos, antineoplásicos; imunossupressores; digitálicos, imunomoduladores, e antirretrovirais. Devem ser submetidos a tratamento ou dispostos em aterro sanitário de resíduos perigosos – Classe I.

Vacinas são medicamentos, e portanto seu descarte também deve atender ao mesmo regulamento. No caso de vacinas de vírus atenuado, vivo ou inativado, incluindo frascos de vacinas com expiração do prazo de validade, com conteúdo inutilizado ou com restos do produto e seringas com esses mesmos resíduos:

– As agulhas e o conjunto seringa-agulha utilizadas na aplicação de vacinas, quando não desconectadas, devem atender às regras de manejo dos resíduos perfurocortantes.

– quando desconectadas, devem ser tratados antes da disposição final (o tratamento pode ser feito dentro ou fora da unidade geradora, inclusive fora do estabelecimento, desde que respeitadas as condições mínimas de acondicionamento e transporte destes resíduos); o rejeito tratado deve ser encaminhado em aterro sanitário.

Estas seringas são as que possuem mecanismos automáticos de desconexão, lembrando que é proibida a desconexão manual de agulhas.

Todo serviço de saúde gerador de resíduos deve dispor de um Plano de Gerenciamento de RSS (PGRSS), observando as regulamentações federais, estaduais, municipais ou do Distrito Federal. Nesse PGRSS devem estar descritas todas as regras sobre descarte desse serviço. Para maiores esclarecimentos sobre descarte de medicamentos, sugerimos consultar a vigilância sanitária local e/ou da Coordenadoria Regional de Saúde de sua região.

O CFF lançou esse ano uma campanha nacional pelo uso racional de medicamentos (URM) com o propósito de ser o principal interlocutor na integração entre quem coleta medicamentos vencidos, sobras ou em desuso, como farmácias, indústrias e órgãos públicos, e quem precisa descartar corretamente, como o cidadão comum. Conheça o site do CFF destinado a esse assunto em http://descarteaqui.cff.org.br/.

Fontes: RDC nº 222/2018, Anvisa (https://bit.ly/2UMLcuP), CFF (https://bit.ly/3xSXlN0).

CFF proíbe que Conselhos Regionais registrem graduandos em EaD

CFF proíbe que Conselhos Regionais registrem graduandos em EaD

O Conselho Federal de Farmácia (CFF) encaminhou um ofício circular proibindo os Conselhos Regionais de registrar graduandos egressos de curso de graduação na modalidade de Ensino a Distância (EAD).

Orientamos para que os alunos verifiquem junto com a instituição de ensino a modalidade de curso o qual estão para não ter problemas quanto ao registro profissional.

Segundo o ofício, “as terminologias Flex, Híbrido e semipresencial ou qualquer outra utilizada para induzir uma modalidade diversa das reconhecidas pelo MEC (presencial ou EAD) podem ser interpretadas como má-fé ou intencionalidade de enganar os estudantes”.

Diante disso, por não apresentar condições adequadas para o atendimento a sociedade, só poderão ter o registro profissional aqueles graduados presencialmente.

Vivemos um momento de pandemia e muitas instituições tiveram que se adaptar para continuar transmitindo conhecimento, vale lembrar que aula remota é diferente de graduação.

Assim, o Ministério autoriza que no máximo 20% da carga horária seja ocupada com atividades a distância.

OFICIO GRADUAÇÃO SEMIPRESENCIAL 030092019-SCACFF
OFICIO ADM ITINERANTE 2020

 

Farmacêutico é nomeado para cargo de reitor da UFCG

Farmacêutico é nomeado para cargo de reitor da UFCG

O farmacêutico e professor, Antônio Fernandes foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para o cargo de reitor da UFCG nesta terça-feira (23)

Antônio Fernandes é Natural de Uiraúna, cidade da região de Cajazeiras, no sertão paraibano, formado em Farmácia Bioquímica pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), doutor em Farmácia pela Universidade de São Paulo (USP), também é professor associado da UFCG, nos cursos de Enfermagem e Medicina, e atua nas áreas de Bacteriologia Medica, Infeção hospitalar e biotecnologia.

Fernandes foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para o cargo de reitor da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). O decreto foi publicado nesta terça-feira (23), no Diário Oficial da União (DOU).

Dos que formam a lista tríplice escolhida por votação interna da instituição ocorrida no ano passado, Antônio Fernandes é o terceiro colocado e obteve 19,47% dos votos. O primeiro colocado foi o professor Vicemário Simões, com 50,45% dos votos. Em segundo ficou o professor John Kennedy, com 30,07% dos votos.

Semanas atrás o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu que o presidente tem a prerrogativa de indicar qualquer um dos nomes da lista, sem seguir a ordem de votação.

Parabéns ao Dr. Antônio Fernandes pela nomeação, desejamos uma ótima gestão e que cada vez mais farmacêuticos(as) possam conquistar posições de poder que fazem a diferença na vida de outras pessoas, tudo começa pela educação.

UEPB ABRE SELEÇÃO COM VAGA PARA FARMACÊUTICO INDUSTRIAL

UEPB ABRE SELEÇÃO COM VAGA PARA FARMACÊUTICO INDUSTRIAL

CARGOS TEMPOTÁRIOS

A Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) publicou dois editais distintos com processos seletivos para vagas temporárias em cargos técnico-administrativos da instituição. Ao todo, estão sendo oferecidas 86 vagas paras os níveis fundamental, médio e superior, em sete campi. As inscrições serão realizadas exclusivamente via internet e podem ser feitas a partir das 10h do dia 22 de fevereiro, até as 23h59 do dia 14 de março, respeitando o horário local, no site.

Estão sendo oferecidas 42 vagas para todos os níveis de escolaridade, nos campi de Campina Grande, Lagoa Seca, Catolé do Rocha e Araruna.

Já as demais 44 vagas, também disponíveis para todos os níveis, nos campi localizados nas cidades de Lagoa Seca, Catolé do Rocha, Monteiro, Patos, Araruna e Campina Grande, onde haverá contratação de farmacêutico industrial.

Edital 02: https://cpcon.uepb.edu.br/concursos/2021_pss_uepb_tec_adm_ptc/pss_uepb_2021_ptc.htm
Inscrições: https://cpcon.uepb.edu.br/

Estudante deve ficar atento a instituições de ensino irregulares

Estudante deve ficar atento a instituições de ensino irregulares

Você pensa em fazer uma graduação ou até mesmo uma pós-graduação? Então é importante verificar a situação legal da instituição de ensino que oferece o curso. E se ela atua de acordo com o que determina o decreto federal 9235 de 2017. O assunto foi tema de discussão em plenária do Conselho Federal de Farmácia. Como esclarece o Coordenador da Comissão de Ensino do Conselho Federal de Farmácia, William Peres, uma das exigências da norma é que a instituição tenha um curso de graduação em andamento para oferecer uma pós, por exemplo. Ele fala do caso específico dos cursos relacionados à área de Farmácia.

“A partir de 2017 só se pode oferecer um curso de pós-graduação se tiver uma graduação em andamento na instituição. Quase todos os cursos anteriores têm acórdãos entre o conselho Federal de Farmácia e a Instituição. Então também podem procurar esses acórdãos que são publicados no Diário Oficial da União. Procure o conselho regional, todos os conselhos regionais têm as suas comissões de ensino, assim como o Conselho Federal de Farmácia”.

A recomendação ao buscar um curso de pós-graduação é ficar atento. É importante seguir alguns passos antes de fazer a escolha para evitar transtornos futuros. “É preciso se informar se o curso está cadastrado no sistema E-MEC e se ele não estiver cadastrado no sistema E-MEC entre em contato com o Conselho Regional de Farmácia ou o Conselho Federal de Farmácia. Isso é importante, nos últimos anos a legislação mudou muitas vezes e, por conseguinte, um determinado curso e em um determinado período pode estar de forma regular, mas talvez a legislação depois pode ter alterado a situação. Então sempre que forem pensar em fazer um curso de graduação ou pós-graduação informe-se sobre a legalidade da instituição e em que situação ela está”.

No caso de dúvida o interessado deve entrar em contato com o Conselho Regional de Farmácia ou com a entidade de classe da sua profissão.